sexta-feira, dezembro 08, 2017

Caso Frentista: Acusados de latrocínio foram sentenciados com penas severas

Juíza condena todos da quadrilha acusada de matar um frentista dentro da loja Mesquita Variedades para assaltar um malote de dinheiro.
Dia do latrocínio ocorrido dentro da loja Mesquita Variedades.
A juíza de Direito da 1ª Vara Criminal da Comarca de Parnaíba, Dra. Maria do Perpétuo do Socorro Ivani de Vasconcelos, sentenciou com mais de 100 anos de cadeia, 03 dos envolvidos no latrocínio que vitimou Francisco José Rodrigues, funcionário do Posto Atalaia, crime ocorrido no dia 16/03/2016, no centro de Parnaíba.

Os sentenciados foram Paulo Augusto Silva Freitas Ibiapina (Gugu), José Rodrigo dos Santos e Elismar Carvalho Pereira, conhecido Preá.  De acordo com a informação, Gugu e José Rodrigo teriam sido sentenciados a 35 anos, 11 meses e 07 dias de cadeia no regime fechado, e Elismar Préa, a 37 anos. Somados chegam a mais de 100 anos.

Francisco José Rodrigues - vítima de
roubo seguido de morte
Matérias relacionadas:
Veja nota oficial da polícia civil:
Justiça de Parnaíba condena latrocidas do frentista Francisco a mais de 35 anos 

Após grande investigação da Polícia Civil de Parnaíba em trabalho conjunto com a Diretoria de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública, através de inquérito presidido pelo DPC Igor Gadelha, e denúncia apresentada pelo Ministério Público, a 1ª vara criminal de Parnaíba, cuja titular é a Dra. Maria do Perpétuo Socorro Ivani de Vasconcelos, condenou no final de novembro a mais de 35 anos os réus da ação penal que trata do latrocínio do frentista FRANCISCO JOSÉ RODRIGUES, ocorrido em 16 de março de 2016, às 11:30 da manhã, em pleno centro da cidade, na loja Mesquita Variedades.

José Rodrigo dos Santos, acusado
de matar o frentista a tiros.
Foram condenados os réus José Rodrigo dos Santos (atirador), Erismar Carvalho Pereira (piloto da motocicleta), Silvio Portela Mendes, alcunha Sirley, Paulo Augusto Silva Freitas Ibiapina, alcunha Gugu e Flávio Kleber Siqueira da Silva, alcunha Serginho, todos com pena superior a 35 anos de prisão. No dia 16 de março de 2016, por volta das 11:30, a vítima Francisco José Rodrigues, transportando um malote com dinheiro e cheques do posto em que trabalhava foi abordada pelo garupa José Rodrigo em moto pilotada por Erismar (Preá), enquanto os outros comparsas davam cobertura no carro de José Rodrigo. Na ocasião a vítima correu para a loja, entretanto José Rodrigo a seguiu e com violência desferiu vários disparos e arrancou o malote do mesmo, fugindo em disparada com os comparsas. O frentista morreu ainda no local.

A investigação da Polícia Civil e denúncia do Ministério Público provou contra os acusados a prática de diversos crimes o que resultou na condenação elevada em relação aos mesmos. Os investigadores afirmam que o grupo em questão estava praticando vários assaltos na região, principalmente a postos de combustíveis, até o resultado infeliz que culminou na perda irreparável da vida da vítima, julgada na ação em questão.

Segundo os agentes de polícia civil foi de grande ajuda para o desfecho do caso a colaboração da população e as denúncias anônimas recebidas, reafirmando o papel da sociedade para aplicação da justiça. Segundo os mesmos o trabalho integrado da Polícia Civil, Ministério Público e Justiça de Parnaíba tem gerado bons frutos como estes, apesar das dificuldades enfrentadas.

De acordo com os mesmos foi para incentivar ainda mais a ajuda da população e maximizar a aplicação da lei que foi criado um formulário de denúncias que muito tem ajudado a Polícia Civil na investigação de crimes na região, que pode ser acessado através do seguinte link: bit.ly/denunciapcphb.

Fonte: Portal do Catita | Edição: Jornal da Parnaíba
Postar um comentário