terça-feira, janeiro 12, 2021

Representantes do agronegócio e suas entidades discutem Medidas Provisórias importantes para o setor

deputado federal Júlio César (PSD)
O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Piauí (Faepi), deputado federal Júlio César se reuniu nesta manhã (11), em videoconferência, com o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, das Federações da Agricultura dos Estados do Nordeste, Norte e Centro-Oeste, além de representantes do Banco do Nordeste - BNB, Banco da Amazônia - BASA, Banco do Brasil - BB, Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) e Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste - (Sudeco).

A videoconferência, conduzida pelo presidente da
Faepi, Júlio César, discutiu as Medidas Provisórias (MP) 1.016/2020 que dispõe sobre a renegociação extraordinária dos Fundos Constitucionais de Financiamento do Norte (FNO), do Nordeste (FNE) e do Centro-Oeste (FCO) e a MP 1.017/2020 que define as diretrizes para a quitação e renegociação das dívidas relativas às debêntures emitidas por empresas e subscritas pelos fundos de investimentos regionais  (Finor) e (Finam) e para o desinvestimento, a liquidação e a extinção dos fundos.

“Foi um debate muito importante onde discutimos os problemas das regiões, as emendas e aprimoramos ideias. Sou relator da MP dos Fundos Constitucionais e pedi aos presidentes de Federações que analisem a medida provisória e tragam sugestões até o dia 25 de janeiro”, disse Júlio César que também é Coordenador Geral do Comitê Executivo para o Desenvolvimento da Região Nordeste, designado pela CNA. O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil , João Martins colocou a equipe da entidade a disposição para auxiliar.

Júlio César explicou que em 2001, o passivo das empresas do Finor era R$ 1,9 bi, e hoje já ultrapassou a casa dos R$ 30 bilhões. As medidas vão beneficiar mais de mil empresas. “O Nordeste ganha muito com a redução e a regularidade que as empresas terão”, afirma.

Nenhum comentário:

---------------------------------
-------------------------------