segunda-feira, fevereiro 17, 2020

Parnaibano

Parnaibano
Parnaibano, natural da Parnaíba. Alguns se apresentam assim, com orgulho !
Parnaibano, natural de Parnaíba. Outros se apresentam assim, também com orgulho.
Aos primeiros, alguns dizem que são iletrados. Porque deveria se dizer sou de Parnaíba. E não, da Parnaíba.
Da Parnaíba, me parece, há uma identidade misturada com intimidade. Coisa própria de quem gosta muito, ama tudo isso que é Parnaíba.
De Parnaíba, há um respeito formal, quase preocupado com as regras. Mas, sem perder o amor pela princesinha do Igaraçu.
Bem.
Estive no dia 27 de janeiro de 2020 (uma segunda-feira) na prefeitura de Parnaíba. Na sede da Administração Pública de Parnaíba. Onde o prefeito trabalha ou onde se pode encontrar o prefeito da cidade, ordinariamente.
Lá protocolei um documento com promessa de que na sexta-feira eu teria uma resposta.
Após deixar o documento no protocolo e registrar na memória a promessa de sexta-feira, fui ao sanitário localizado no mesmo saguão, há uns cinco passos do protocolo.
Ao entrar no recinto, nenhuma surpresa, não há porta, apenas um cartaz com uma ilustração que induz seja um sanitário para homens.

Também não há iluminação no sanitário.
As torneiras não funcionam.
Não há papel-toalha para secar as mãos ou o rosto. Ou, os braços. Ou, qualquer coisa que necessite de uma toalha-papel.
Dirigi-me ao local com vaso sanitário, sem portas, também.
O vaso, ao que me pareceu, foi higienizado em épocas remotas.
Como não havia traços da limpeza, arrisco a dizer que já faz muito tempo aquele aparelho sanitário sofreu uma intervenção sanitária. Ou seja, uma limpeza adequada.
A catinga que recende do vaso é insuportável.
E por incrível que pareça, remete o usuário a um lugar comum: parecia que eu estava num banheiro de rodoviária.
Mas, eu não estava na rodoviária.
Eu estava na sede de administração da Princesinha do Igaraçu.
Local que pode ser utilizado pelo Chefe da Administração de Parnaíba, se ele quisesse usar o sanitário.
Eu já estava me acostumando com o descaso, com o desleixo, com o desrespeito mas, resolvi me importar porque não são os Parnaibanos apenas os usuários daquele recinto.
Razão pela qual levo a xeque a postura do médico que hoje administra Parnaíba.
Os parnaibanos que se dirigem à Prefeitura e desejam ou são levados a necessitar do uso dos sanitários são obrigados a usar o banheiro da pior forma possível, qual seja, com nojo, com a sensação de que não merecem consideração, respeito, carinho, amor.
O prefeito não cuida do banheiro da Prefeitura.
Onde ele recebe os cidadãos.
Onde ele recebe as autoridades, vereadores, vereadoras, procuradores do Município, procuradores de outros Municípios, procuradores do Estado, delegados, escrivães, Juízes, Promotores, assessores, assistentes sociais, médicos, enfermeiros, vendedores, taxistas, motoristas, enfim.
Qualquer diagnóstico médico inicial diz que temos de manter a higiene pessoal em alerta. Lavar as mãos, beber água limpa, evacuar em lugares limpos e mantê-los limpos.
O Prefeito-médico não se importa mais com isso.
Não fiscaliza mais os serviços prestados pela Prefeitura que dirige.
Então, se ninguém reclamar, fica por isso.
Mas, e se reclamar, fica por quanto ?
Vou aguardar a resposta Parnaibanos.

Assinado: Klinger Fahed Silva Nepomuceno.

2 comentários:

Unknown disse...

Ou seja,Vc é petista

Klinger Fahed Silva Nepomuceno disse...

Unknown, significa desconhecido. Ou, apenas, um robô.
Pode significar também alguém que não tem coragem para assinar a postagem.
Ainda assim, merece uma resposta porque sua postagem desafia a inteligência.
Não sou filiado ao partido dos trabalhadores. Não sou petista.
Sou um cidadão Parnaibano que merece respeito ao utilizar
os prédios públicos do Município de Parnaíba.
Quem não se importa com a qualidade dos serviços e dos locais públicos, que utilize os serviços prestados pelo prefeito e o bajule bastante.
Eu, felizmente, penso de outra forma.
Assinado Klinger.

---------------------------------
-------------------------------