segunda-feira, julho 29, 2019

Capitania dos Portos apreende cinco embarcações durante as férias

A Operação Férias Segura, acontece de 01 a 31 de julho, em cidades com maior fluxo de banhistas e embarcações.
Durante o período de férias, o tráfego de embarcações aumenta significativamente, principalmente na região do litoral piauiense e de cidades com rios e balneários. Para tentar coibir a navegação de embarcações irregulares e garantir a segurança dos banhistas, a Capitania dos Portos do Piauí está realizando a Operação Férias Seguras, que acontece de 01 a 31 de julho.

Desde que a operação foi iniciada, aproximadamente 200 embarcações já foram abordadas. É o que explica o capitão da Fragata e comandante da Capitania dos Portos do Piauí, Benjamin Dante Duarte. “Eu posso dizer que nesse período a gente conseguiu abordar quase 200 embarcações. Nesse período, tivemos sete notificações, sendo que em cinco embarcações foram apreendidas. Tivemos também uma carteira de habilitação que foi apreendida e o indivíduo teve sua autorização para conduzir suspensa por 60 dias”, comenta. 

Ainda de acordo com o capitão, o objetivo da Marinha não é punir os condutores das embarcações, contudo, quando é observada uma situação onde o condutor tenta burlar as leis e vai de encontro ao que está previsto as normas, colocando em risco a segurança da navegação e a vida de outras pessoas, é preciso adotar medidas punitivas, vez que o arcabouço jurídico resguarda a Marinha como agente da autoridade marítima.

“Tivemos dois incidentes de navegação onde foram abertos dois inquéritos para apurar: um na área de Buriti dos Lopes e o outro na área do Porto dos Tatus. Estamos apurando as circunstâncias e as causas desses acidentes. Acredito que as ações de fiscalização sendo antecipadas refletem diretamente nisso. Os condutores das embarcações sentem a necessidade de se regularizar e muitos deles cometem irregularidades por falta de conhecimento”, pontua.
O capitão Benjamin Dante Duarte cita ainda que, nesse período de férias, os locais onde mais se realizam ações são: em todas as praias de Luís Correia, onde as ações de fiscalização são redobradas; na Lagoa do Portinho, que esse ano teve um bom volume de água; a região da Ilha Grande de Santa Isabel, no Porto dos Tatus, área que demanda uma maior atenção por ser um local com grande fluxo de turistas e embarcações.

Locais de maior atenção e canais de denúncia e comunicação
O capitão Benjamin Dante Duarte comenta que a Capitania tem trabalhado para levar mais informações aos condutores por meio dos canais de comunicação. Pelo Disque Segurança na Navegação, através do número 0800 095 2844 é tirar dúvidas da população e ajudar a Marinha com relação à movimentação das praias e locais de banho.

“O objetivo do Disque Segurança da Navegação é as pessoas nos ajudarem como se fosse inspetores navais: você está numa praia, observa uma moto aquática em alta velocidade próximo aos banhistas, então a pessoa pode nos comunicar. A pessoa pode fotografar, filmar e nos ligar, fazendo uma denúncia, indica a praia, a hora, de possível pega o número de inscrição da embarcação, as características dela, que nós vamos apurar cada denúncia no local, se possível no mesmo momento. Se não for possível no momento a gente abre um procedimento. A população também tem que nos ajudar, porque a gente não consegue estar em todos os locais, são 224 municípios, pois são várias praias e balneários”, enfatiza.
Perfil do navegante do Piauí
Ao longo de um ano, o comandante da Capitania dos Portos do Piauí destaca que foi possível mapear o perfil dos navegantes do Piauí, que não se difere muito de Estados como Maranhão e Pará. Ele comenta que, em geral, os condutores assumem a chamada “cultura de risco”.

“A cultura do risco é aquele pensamento de que um acidente não vai acontecer com ele porque já está há anos fazendo aquilo e, por já conhecer a área, por vezes deixa de cumprir determinadas regras básicas das navegações como, por exemplo, tem um número suficiente de coletes para todos os tripulantes e passageiros”, cita.

Ter a quantidade de coletes suficientes para todos os tripulantes é uma regra básica da navegação, garantindo que evite mortes em caso de acidente. O capitão Benjamin Dante Duarte chama atenção para este item e pontua que este tem sido um trabalho diário realizado para Capitania dos Portos do Piauí, como forma de conscientizar os condutores.

“Cada embarcação tem sua característica e um tipo de condução, e o condutor precisa se regularizar e fazer cursos. Há uma grande diferença entre navegantes profissionais e amadores. Os profissionais são aqueles pescadores e eles têm uma característica. Já os outros de esporte e recreio, de turismo náutico, esses são os amadores. São duas vertentes diferentes que a gente procura atender os dois, cada um tem suas características”, comenta.

Acidentes registrados
O comandante da Capitania dos Portos do Piauí, capitão Benjamin Dante Duarte, lamenta os acidentes registrados pela Capitania, como o que envolveu uma balsa de transporte de passageiros e carga, na cidade de Buriti dos Lopes, onde uma Van subiu na balsa para fazer o transporte para a outra margem e a cair na água. Até o momento não foi possível dizer as causas do acidente, mas a Capitania está apurando o fato.

O outro incidente foi a queda de um passageiro em uma embarcação de passeio de turismo na região do Delta do Parnaíba. O passageiro caiu dentro da embarcação e se machucou. O caso também está sendo investigado.

“É uma coisa que temos que verificar quais foram as causas e as circunstâncias para que possamos divulgar para a comunidade marítima um resultado e para que eles possam saber o que aconteceu de errado e, assim, poderem se prevenir e para que não ocorra novamente em outra embarcação. Temos essa percepção, de que é possível aprender com os erros e não fazê-los novamente”, conclui o capitão Benjamin Dante Duarte.

Por: Isabela Lopes e Maria Clara Estrêla | Edição: Jornal da Parnaíba

Nenhum comentário:

---------------------------------
-------------------------------