quarta-feira, agosto 01, 2018

Crianças que vendiam drogas relatam que eram chantageadas, diz PM

Um caso revoltante foi registrado na cidade de Parnaíba, no litoral do Piauí. Quatro irmãos com idades de 12, 11 e 4 e 2 anos foram flagrados vendendo drogas em casa. A comercialização de entorpecentes teria sido repassado às crianças pela própria mãe e pelo padrastro que, no momento no flagrante, estavam na praia. Durante a abordagem policial, um dos meninos correu e deixou cair uma mochila com mais de 700 embalagens com crack e cocaína.
Menina de 11 anos e os irmãos de 4 e 2 anos - Foto: PM-PI
O caso ocorreu no último domingo (29). A Polícia Militar chegou na residência após denúncias anônimas.

"A PM já vinha monitorando a casa. Os policiais cercaram a casa e o menino de 12 anos saiu correndo e pulou o muro, mas deixou cair uma mochila cheia de drogas. Na casa estavam três crianças, irmãos dele. Uma delas, inclusive, confirmou que havia vendido uma pedra de crack fiado", conta o sargento Farlon Machado, do 2º BPM de Parnaíba.

O militar conta que a menina de 11 anos e os irmãos de 4 e 2 anos ficaram muito assustados. Uma das criança disse, inclusive, que não era a primeira vez que ficava responsável pela boca de fumo e que o padrasto os chantageava. 
Foto: PM-PI
"Os irmãos choravam muito. A menina contou que o padrasto dizia que tinham que vender a droga, senão não iam ter o que comer e vestir. A todo tempo, ela também me perguntava se ia ser presa [...] tinha a noção de que estava fazendo algo errado. A gente conversava, tentando acalmá-la, pois se tratava apenas de uma criança. Há cerca de dois meses, fizemos uma abordagem na casa e não encontramos nada. Descobrimos que o garotinho foi ensinado a pular o muro com a mochila quando via alguma movimentação de polícia", complementa o sargento. 

A linguagem usada pela criança também surpreendeu o militar que, com 14 anos na corporação, nunca havia se deparado com uma situação semelhante.

Matérias relacionadas:
"Ela se referia a crack como brita e maconha como chá, ou seja, uma linguagem usada por alguns traficantes e por quem faz uso de drogas. Tenho 14 anos de PM, prendi muito traficante, mas nunca vi uma situação desse nível, dos pais confiarem nas crianças a venda de entorpecentes. A gente fica muito triste", desabafa Farlon Machado. 

A mãe das crianças de iniciais M. R. Ce o padrasto de iniciais P. R. L.A [ os nomes não foram publicados para não identificar as crianças] foram presos e devem responder por  tráfico de drogas, corrupção de menores, abandono de incapaz e porte ilegal de arma de uso restrito.

"A mulher não demonstrou nenhum remorso, nos disse que não estava nem aí, pois tinha quem criar os filhos", acrescenta o sargento. 

Crianças estão sob os cuidados dos avós
Regivaldo Queiroz, conselheiro tutelar, conta que com a prisão da mãe e do padrastro, as crianças ficaram sob cuidados dos avós paternos. 

"Como medida protetiva, os irmãos foram entregues aos avós paternos e serão acompanhados pelo CRAS e pelo Creas, além de psicólogos. O Conselho Tutelar vai continuar acompanhando o caso", disse Regivaldo Queiroz. 

Por: Graciane Sousa/Cidade Verde  | Edição: Jornal da Parnaíba.
Postar um comentário