sábado, maio 06, 2017

Gêmeos de Parnaíba de 9 anos dão show no “Legendários” na TV Record

Cristian e Sebastian encantaram o Brasil tocando violão e acordeom no programa "Legendários", na Record.

Os gêmeos Cristian e Sebastian no palco do Legendários (Foto: Divulgação/ Record)
O programa “Legendários”, da Rede Record de televisão, recebeu, na noite de ontem (5), uma dupla ilustre, direto da cidade de Parnaíba: os gêmeos Cristian e Sebástian se apresentaram no quadro “Pequenos Notáveis” e encantaram a plateia com seu incrível talento musical.

A produção do programa apresentado por Marcus Mion encontrou os gêmeos através de vídeos postados no Youtube, e perceberam o talento que há nos pequenos dedinhos dos meninos de 9 anos, que não se intimidam diante de instrumentos enormes, como violão, teclado e acordeon, nem diante de uma audiência nacional.

O resultado foi o convite para participar. A gravação do programa aconteceu no último dia 13 de abril, e a apresentação dos meninos foi exibida na noite de ontem.

Talento de gente grande
O pai dos meninos, Roberto Viturino, é o grande incentivador da dupla. Ele disse, em entrevista ao Portal O Dia, que vê a música como forma de educar. “Há alguns tipos de brinquedos que despertam os interesses das crianças. Se você dá a elas uma arma de brinquedo, você pode fazer despertar a violência, por exemplo. Então nós sempre compramos brinquedos musicais para eles”, conta. “A gente trabalha a música como uma forma de educar”.

O pai conta que o primeiro a mostrar sinais do talento foi Cristian. Desde os três anos, o garoto apresentou aptidão para a música. “Fui percebendo que ele tinha o dom, que tinha concentração, que mentalizava as músicas, memorizava...”, lembra Roberto.

O desejo do menino, desde cedo, foi de tocar o acordeon, mas não havia em Parnaíba alguém que pudesse ministrar aulas do instrumento. Então Cristian, com seis anos, começou a aprender o teclado. Em pouco tempo o professor do garoto percebeu a facilidade que tinha com as teclas, e conseguiu um amigo que pudesse ajuda-lo com o instrumento que tanto queria aprender.

Sebastian logo seguiu os passos do irmão, e toca violão desde os sete anos de idade. Um outro talento acabou ainda por aflorar no menino, que se tornou o cantor da dupla.

Juntos, separados ou com o pai os acompanhando na zabumba, os gêmeos filmam o resultado dos estudos e postam no seu próprio canal no Youtube. Os dois já são figura carimbada nas festas de São João em Parnaíba, onde já se apresentaram para um público de quase 10 mil pessoas, dividindo palco de João Cláudio Moreno.

Educação musical, social e moral
Roberto Viturino considera que seu esforço para levar a música para os meninos se revela um trabalho cultural e educativo. Ele, que não é músico, considera que a música um meio de educar os filhos que se estende para a vida social e profissional. “A cultura deles vai ficar mais rica. Eles vão conhecendo músicas que não são ofertadas aos jovens, vão aprendendo a socializar melhor, a lidar com o público, podem até influenciar outras crianças”.

Ele comenta que acompanha de perto o estudo deles na música, observando o tipo de música que aprendem. Como ainda são crianças, o pai e os professores supervisionam as letras das músicas, para evitar as que apresentem algum tipo de conteúdo impróprio, como de desrespeito à família ou incentivo ao uso de drogas, por exemplo.




“A música que eles tocam é de raiz, o forró de raiz, e MPB. É uma música que não é consumida pelos jovens, mas não seguimos modismos. Por que não adianta eles terem o dom e estarem trabalhando com uma música que não dá consistência”, argumenta.

O resultado desse esforço o Brasil inteiro pôde conferir pela TV na noite de sexta-feira. Os meninos encantaram o público, dividiram o palco com a dupla César Menotti e Fabiano, com a cantora Cláudia Leitte, e voltaram para casa satisfeitos.

O pai comenta ainda que, infelizmente, é preciso um grande esforço da família para aproximar as crianças da música. “As escolas não dão aula de música, e tivemos que pagar pelas aulas, comprar instrumentos... É uma luta quase solitária, mas continuamos pela educação dos nossos filhos e pelo Brasil também”.

Por: Andrê Nascimento e Nayara Felizardo | Edição: Jornal da Parnaíba
Postar um comentário