quinta-feira, abril 13, 2017

Moradores de Rua de Parnaíba ganham Casa de Acolhida

A Casa de Acolhida Bom Pastor passa por uma pequena reforma e será inaugurada dia 25 de abril.

A Casa de Acolhida Bom Pastor receberá pintura e será entregue dia 25 de abril.
A Diocese de Parnaíba, como sinal concreto do Ano da Misericórdia, disponibiliza aos moradores de Rua de Parnaíba, a Casa de Acolhida Bom Pastor, onde os acolhidos receberão alimentação, roupas e calçados, higiene pessoal, apoio psicológico e espiritual, assim como, encaminhamentos para documentação e tratamento da dependência química.

O imóvel, localizado na Rua Conde D’eu, 490 no centro de Parnaíba, foi cedido pela Diocese de Parnaíba e será inaugurado dia 25 de abril. O bispo Dom Juarez sensibilizado com essa questão cedeu o imóvel que está sendo reformado, com capacidade para receber, diariamente, 20 pessoas para dormir, se alimentar e receber todo cuidado. Cerca de 600 acolhimentos ao mês. O serviço e a casa vai necessitar de doações de roupas, calçados, móveis, utensílios de cozinha, lençóis, toalhas, material de limpeza e higiene pessoal.

“É uma casa de acolhimento, onde o morador de rua vai chegar e encontrar uma cama, um armário para guardar suas coisas, tomar um banho, receber uma refeição e poder usufruir desse acolhimento por um dia, uma semana, um mês ou até seis meses, enquanto recebe um direcionamento”, informa o diácono Ribamar, responsável pelo projeto.
A pintura do imóvel já está sendo realizada.
A equipe da casa receberá orientação quanto ao direcionamento a ser dado aos acolhidos, de forma a ouvir a cada um e verificar de que maneira direcioná-lo: reintegrá-lo na família ou auxiliar no retorno aos lares os que vem de outras cidades. “Uma pessoa que está na rua está por uma razão. Alguma coisa deu errado na vida dela e é um erro, uma falha no próprio projeto de vida da pessoa”, afirma Ribamar.

Muitos têm condições profissionais, mas, com a situação agravada em virtude do uso do álcool ou de drogas, necessitam serem tratados e serão encaminhados às comunidades terapêuticas ou casas de recuperação. Para tanto, o projeto conta com a parceria da Casa dos filhos de Deus, Casa das Samaritanas e casas de recuperação em Piripiri, Teresina e Luís Correia. Para os demais acolhidos, a parceria se estende ao Asilo São José, Casa de Passagem da Prefeitura e numa parceria direta com o centro POP Centro de Referência para a população de rua, que mantém atendimento psicossocial, espaço para que o morador de rua possa tomar um banho, rodas de conversa, mas não oferecem o pernoite, “é isso que nós vamos oferecer, pois, a principal necessidade para o morador de rua é a dormida. Durante o dia eles conseguem se virar bem, mas a noite tem que dormir ao relento” esclarece o diácono Ribamar.
Diácono Ribamar Moraes, responsável pelo projeto
Ribamar esclarece que a diocese não fará o serviço de abordagem, mas, acredita que com a abertura da casa muitos virão e passarão a informação a outros. “Embora sejam desconfiados, pois, a pessoa perde a dignidade e fica com a autoestima muito baixa, se sentindo um lixo. Muitos caem em si mesmo quando chegam a casa e tomam banho, sentam à mesa para fazer uma refeição, vai pro quarto e deita numa cama”.

O projeto é uma proposta da área social da Diocese de Parnaíba e conta com a participação de todas as pessoas de boa vontade que queiram colaborar com o voluntariado, principalmente, psicólogos e assistentes sociais, assim como, contribuições mensais de pessoas físicas e jurídicas.

O diácono Ribamar Moraes, responsável pelo projeto, foi ordenado em Brasília há 19 anos como diácono permanente, é casado, natural de Parnaíba, com larga experiência em casas de acolhimento. Retornando à Parnaíba está trabalhando na área social, na paróquia São João XXIII, com o padre Henrique, a convite de Dom Juarez.

Fonte: Proparnaiba | Edição: Jornal da Parnaíba
Postar um comentário