sexta-feira, setembro 02, 2016

Parnaíba está infestada por uma praga de grilos

Agora que a presidente Dilma perdeu o mandato, enterrou seu partido e está no chão, feito manga podre coberta de mosquitos, me ocorre lembrar uma situação muito da incômoda pra quem mora em casa que tem quintal grande e cheio de árvores, mangueiras principalmente. Se bem que nestes tempos modernos as casas estão diminuindo esse espaço que em outros tempos foi lugar pra se jogar aquilo que não tinha serventia dentro de casa.

Sou de um tempo em que as casas tinham grandes quintais. Cheios de árvores de toda igualha. Mangueiras, sapotizeiros, limoeiros, cajueiros, coqueiros e por aí vai. Mas os quintais eram lugares onde se jogava tudo aquilo que não prestava e que estava fazendo monturo dentro de casa. Qualquer coisa quebrada. Cadeira velha sem a perna, penico, travesseiro cheio de carunchos, latas de leite em pó vazias, chinela sem os cabrestos, enfim, toda sorte de tranqueiras.

Lugar onde se queimava lixo e se rebolava resto de comida pra os cachorros. Lugar pra se rebolar comida pros porcos. Porcos que comiam esses restos e depois, num belo dia de domingo, iam pra mesa da família feito quisados ou assados na panela. Mas quintal, pelo menos antigamente, era lugar onde se juntava inseto. E quando era no tempo de manga ou outras frutas maiores e polpudas, igual mamão, sapoti e caju, em época de chuva, era lugar onde ninguém gostava de enfiar os pés. Dava frieira.

Dessa de coçar entre os dedos e causar aquela inquietação dos diabos. Vontade de subir pelas paredes. Mas de tanto falar em quintal ia me esquecendo dos insetos e de um em particular, o grilo. Um inseto muito do insolente e que acha que todo mundo tem obrigação de ficar ouvindo aquela cantiga repetida por uma noite inteira. Coisa de tirar o sono de qualquer cristão! De agora até o início de outubro o que mais a gente vai ouvir é cantiga de candidato a vereador na sua porta e na propaganda eleitoral no rádio e na televisão.

Eles infestam sua vida e sua hora de descanso com as mais absurdas promessas de campanha. E sempre repetindo que vão trabalhar pela educação, saúde, segurança. Saúde, educação, segurança. Segurança, saúde, educação. Mais creches, mais empregos, mais hospitais. Equipamentos sociais e obras que na maioria das vezes não e nunca foram de competência de prefeituras e muito menos de vereadores!

E fica aquela latumia no seu pé do ouvido e na televisão. Cada um falando mais besteira. Uma atrás da outra. Uma lista e meia de absurdos. Esses grilos políticos infestando sua hora de sossego quando a gente está esfregando um pé no outro deitado no sofá da sala tentando um cochilo. Aquela cantiga miserável vindo da fresta da porta. E dá vontade de sair com um chinelo caçando até encontrar esse grilo dos infernos!   Aqui na Parnaíba a gente tem é visto coisa! E olhe que ainda tem é grilo pra sair do buraco. Aguente os ouvidos até o final do mês.

Por Antonio de Pádua

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Favor assinar o blog com nome e e-mail.