quinta-feira, agosto 23, 2018

Operação Escamoteamento: PRF Gaeco cumprem mandados de prisão em Buriti dos Lopes

Estão sendo cumpridos 07 (sete) mandados de prisão preventiva, 06 (seis) mandados de prisão temporária e 16 (dezesseis) buscas e apreensões.
Gaeco, TCE e Polícia Rodoviária Federal agem de maneira conjunta na Operação Escamoteamento - Foto: Divulgação/Ascom
O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado do Piauí deflagrou na manhã desta quinta-feira (23) a 3ª fase da Operação Escamoteamento, que tem como objetivo de cumprir sete mandados de prisão preventiva, seis mandados de prisão temporária e 16 de buscas e apreensões expedidos pelo juiz da Vara Única de Cocal.

A operação é um desdobramento da investigação iniciada em Cocal e tem como foco o desvio de recursos públicos do município de Buriti dos Lopes, onde algumas empresas e empresários da Serra da Ibiapaba no Ceará, juntamente com a participação de agentes públicos desviaram recursos públicos entre os anos de 2013 e 2016.
Gaeco e Polícia Rodoviária Federal durante a Operação Escamoteamento - Foto: Divulgação/Ascom
O Ministério Público do Piauí ainda pediu o bloqueio no total de R$ 8.388.822,64 milhões de bens dos investigados, valor inicialmente detectado como sendo o prejuízo causado ao erário público pelos alvos da operação. Os nomes dos envolvidos ainda não foram divulgados. Os mandados estão sendo distribuídos entre os municípios de Buriti dos Lopes, Tianguá (CE), Viçosa do Ceará (CE) e Fortaleza (CE). Participam da deflagração aproximadamente 80 agentes públicos, entre membros do Ministério Público, policiais e auditores da CGU e do TCE/PI.

A ação conta com o apoio e participação no cumprimento dos mandados, da Controladoria Geral da União, Tribunal de Contas do Estado do Piauí, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Civil do Piauí e Polícia Militar do Piauí, além do Ministério Público do Estado do Ceará.
Atuação da Gaeco e Polícia Rodoviária Federal e TCE durante a Operação Escamoteamento - Foto: Divulgação/Ascom
Entenda o caso
A primeira fase da operação foi deflagrada em abril de 2017, quando prendeu mais de 10 pessoas envolvidas por participação de esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e fraudes em licitações no Piauí, Ceará e Maranhão. Foram desviados, apenas do município de Cocal em 2015, o valor de R$ 18.189.644,35 milhões. Na ocasião dois funcionários da prefeitura de Cocal foram presos.

As empresas investigadas agiam em conjunto, onde participavam de licitações e fechavam contratos para realização de serviços, obras de construção com valores exorbitantes sem a devida prestação do serviço para os quais foram contratadas. Durante a operação foram investigadas empresas do ramo da construção civil, locação de veículos e locação de mão de obra.

Descobriu-se nas investigações que 62 empresas fantasmas do Ceará estavam sendo contratadas por prefeituras daquele estado e ainda no Piauí e Maranhão.
Matérias relacionadas:
Pelo menos três residências foram alvos da Operação Escamoteamento em Buriti dos Lopes. Oito pessoas foram presas e estão sendo conduzidas para Teresina onde serão ouvidas.
Por Bárbara Rodrigues/GP1  | Edição: Jornal da Parnaíba
Postar um comentário