domingo, abril 01, 2018

Trabalhadores da segurança pública do Piauí anunciam greve a partir do dia 3 de abril

Pela segunda vez governo do Piauí não comparece em audiência e trabalhadores da segurança pública irão protestar. Manifestação e greve geral por tempo indeterminado a partir do dia 3 de abril.
Presidente do Sinpolpi, Constantino Júnior
Policiais civis - agentes, escrivães, peritos e delegados -, policiais militares, corpo de bombeiros e técnicos de Polícia Civil estarão reunidos em manifestação na próxima terça-feira (3), a partir das 9h, no Palácio de Karnak.

Na manhã de hoje (27), o Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Estado do Piauí (Sinpolpi) esteve na Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi), com seus diretores, participar de uma audiência pública convocada pela comissão de segurança da Alepi, a fim de discutir planos salariais e valorização do trabalhador.
Porém, pela segunda vez em menos de 10 dias, o governo do Piauí não compareceu, situação que deixou todos os presentes insatisfeitos. Em fala, o deputado Robert Rios afirmou que o secretário de segurança, Fábio Abreu, e o secretário de administração, Franzé Silva, estavam devidamente convocados.

O presidente do Sinpolpi, Constantino Júnior, que também representa a Federação Nordestina dos Policiais Civis (Feipol-NE), afirma que o governo, mais uma vez, de forma covarde, desrespeitou os trabalhadores e o Poder Legislativo que, por força de lei, deveria ter comparecido à audiência pública.
“Hoje, as entidades representativas sindicais da Polícia Civil e as entidades representativas associativas da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, se uniram em busca de um benefício geral: a valorização da segurança pública e de seus trabalhadores. Em discussão, decidimos por unanimidade que iremos, juntos, protestar contra esse governo que não se importa com a segurança da população. Estaremos juntos, na próxima terça-feira (3) no Palácio de Karnak, a partir das 9h, para reivindicar a valorização que merecemos”, afirmou o presidente.

Ainda no dia 15 de março, a categoria dos policiais civis já havia deliberado positivamente para início de paralisação geral de suas atividades também no próximo dia 3 de abril. Com isso, todo o Piauí ficará sem os serviços da polícia investigativa por tempo indeterminado.
Constantino explica que o governo está desrespeitando não somente os policiais, mas também a população, que se torna a principal vítima do desinteresse do governo em melhorar a segurança pública.

“Nós iremos protestar e lutar contra a falência iminente da segurança pública do Piauí causada pelo governador Wellington Dias. A união de todas as categorias de segurança será nossa resposta ao descompromisso do governo, que insiste em abandonar as polícias do Estado, permitindo que a população sinta os impactos no aumento da criminalidade e que os servidores trabalhem em condições deploráveis”, finalizou o presidente.




Jornal da Parnaíba
Postar um comentário