quarta-feira, novembro 01, 2017

Parnahyba ou River? Quem enfrenta o 4 de Julho na final que começa domingo?

Mesmo rito da Comissão e com mais votos: o julgamento do Caso Garcês no Pleno; Processo contra o Parnahyba na 2ª instância do TJD-PI será apreciado em procedimento semelhante ao que excluiu o clube da Copa Piauí. Nova punição pode levar novela ao STJD
Pleno do TJD-PI se reunirá no Auditório Jornalista Carlos Said vai julgar Caso Garcês e pode excluir Parnahyba da Copa Piauí (Foto: Josiel Martins)
O Parnahyba está prestes a dar mais um passo na luta para convencer a justiça de que não infringiu o regulamento da Copa Piauí ao escalar um jogador de 17 anos. O clube do litoral será julgado pelo Pleno do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-PI), às 18h30 desta quarta, na sede da Federação de Futebol de Piauí, em Teresina, depois de ser condenado e excluído da competição pela Comissão Disciplinar. O clube foi penalizado ao utilizar o atacante Felipe Garcês, com idade abaixo do permitido – regulamento só permite atletas com idade entre 18 e 21 anos. De todo modo, o rito desta nova etapa de apreciação será semelhante a que condenou o Tubarão na 1ª instância, mas terá um maior número de auditores – oito no total – que terão direito a voto. O Azulino nega ter descumprido o regimento da Copa, mas prometeu recorrer ao STJD caso seja novamente condenado.

O processo Nº 015/2017 utiliza o Art. 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva para enquadrar o Parnahyba. De acordo com o CBJD, um clube pode perder pontos ou até mesmo ser excluído de uma competição caso utilize jogador em condição irregular de inscrição em um torneio.
Tubarão foi excluído da Copa Piauí após punição da primeira instância do TJD-PI (Foto: Wenner Tito/GloboEsporte.com)
Quando denunciado na Comissão Disciplinar, a primeira instância do TJD-PI, o Tubarão foi condenado com a eliminação na Copa Piauí pela utilização do jogador Felipe Garcês em quatro partidas: três atuações como reserva e uma como relacionado no banco. A decisão dos quatro auditores da Comissão foi unânime.

Após ser acionado pelo próprio Parnahyba, o Pleno colocou o Caso Garcês na pauta de julgamentos desta quarta. O procedimento deve ser semelhante ao da instância anterior, mas com apreciação de um corpo maior de auditores – oito. Sérgio Campos, Ricardo Braga (relator), Leonardo Pires, Felipe Alencar, José Lustosa Filho, Diogo Maia, Wando e Lucimar Santos Filho terão direito a voto.
- Vai ser um julgamento semelhante ao da Comissão Disciplinar e vai seguir todo o trâmite da legislação da maneira mais imparcial possível – resumiu Lucimar Santos Filho, presidente em exercício do TJD-PI.

COMO VAI ACONTECER O JULGAMENTO
O relator do caso vai apresentar todo o processo aos presentes e, logo após a leitura, será dado tempo aos interessados no caso apresentarem seus argumentos. Miguel Bezerra trabalhou na defesa do Parnahyba na Comissão Disciplinar, enquanto Márcio Dinoco atuou em favor do River-PI. O Galo é parte interessada já que o clube terminou a fase de classificação em terceiro lugar e pode herdar a vaga do Tubarão.

Após a exposição dos argumentos, o relator Ricardo Dantes de Oliveira Braga faz o anúncio do parecer dele e abre oficialmente a contagem de votos dos demais colegas da corte.

QUEM PODE VOTAR NO PLENO
Auditores: Sérgio Campos, Leonardo Pires, Felipe Alencar, José Lustosa Filho, Diogo Maia e Wando
Relator: Ricardo Braga
Presidente em exercício do TJD-PI: Lucimar Santos Filho
Felipe Garcês, meia-atacante do Parnahyba (Foto: Blog do Jonys)
A NOVELA ENVOLVENDO O TUBARÃO
O Parnahyba foi denunciado pela Federação de Futebol do Piauí por ter supostamente escalado de forma irregular o atacante Felipe Garcês na Copa Piauí. Procurador da Comissão Disciplinar, Fabrício Carvalho arquivou o processo por não considerar infração o uso de um atleta com 17 anos.

Contudo, o River-PI recorreu da decisão e acionou a Procuradoria Geral do TJD-PI, que acatou o pedido. A denúncia acabou colocando Galo e Tubarão frente à frente na esfera jurídica. O julgamento na Comissão Disciplinar acabou excluindo o clube do litoral do torneio sub-21 e ainda determinou o pagamento de R$ 1mil de multa pela infração. A decisão coube recurso e, por conta disso, a novela envolvendo o Caso Garcês ganhou um novo capítulo. Desta vez no Pleno do TJD-PI.

Por Renan Morais/G1 | Edição: Jornal da Parnaíba
Postar um comentário