quarta-feira, novembro 01, 2017

Estado, mais uma vez, atrasa pagamento de famílias vítimas da barragem Algodões

O governo estadual deve pagar, mensalmente, R$ 2 milhões. A data do vencimento é o dia 25; Por determinação da Justiça, o repasse era para ser feito no dia 25. Mas até agora nada de dinheiro para as vítimas da Barragem Algodões em Cocal
Mais uma vez, as famílias vítimas do rompimento da Barragem de Algodões, município de Cocal, Norte do Piauí, não receberam este mês o repasse dos recursos da indenização determinada pela Justiça do Piauí. O governo estadual deve pagar, mensalmente, R$ 2 milhões. A data do vencimento é o dia 25. A indenização de 60 milhões de reais foi parcelada em 30 meses. Outubro é o sétimo mês que deveria ser repassado o dinheiro das famílias.

No mês passado, o governo também atrasou o repasse da indenização. Somente após uma reportagem do jornal Diário do Povo publicada no dia 29 de setembro é que os recursos foram liberados para as 940 famílias dos municípios de Cocal e Buriti dos Lopes que tiveram perdas materiais e, algumas, parentes mortos.

Para muitas pessoas que tiveram perdas de casas e propriedades, o Governo do Estado não está respeitando a decisão da Justiça. É que o acordo firmado entre as famílias e a administração pública estadual foi na presença do presidente do Tribunal de Justiça do Piauí, desembargador Erivan Lopes da Silva. Os representantes das famílias estão revoltados com o descaso do governo Wellington Dias e a paralisia do Poder Judiciário piauiense em não tomar uma decisão de cobrança ao Palácio de Karnak.

A Bicicleta Houston Bristol é ideal para iniciantes. Ótima para
que você possa passear por aí em segurança e com máximo de
conforto. Venha aproveitar está oferta do Armazém Paraíba!
Hoje à tarde foi marcada uma reunião das famílias vítimas da Barragem de Algodões com o presidente da Associação da Vítimas da Barragem de Algodões (ABAVA), Corsino Medeiros dos Santos. Devido à falta do pagamento da indenização, muitos defendem realizar uma viagem para Teresina, para cobrar do governador Wellington Dias e, também, dos desembargadores do Tribunal de Justiça uma definição sobre o pagamento e evitar os atrasos.

Segundo o presidente da ABAVA, Corsino dos Santos, as pessoas das famílias prejudicadas com o rompimento da barragem estão irritadas e indignadas com o atraso dos pagamentos porque têm contas atrasadas no comércio nas cidades e o Governo não cumpre a decisão judicial.

Nossa reportagem tentou contato, por telefone, com o secretário estadual de Fazenda, Rafael Fonteles. Ele não atendeu as ligações.

Por: Marcelo Rocha/Capital Teresina | Edição: Jornal da Parnaíba
Postar um comentário