domingo, julho 02, 2017

A extinção da Marujada em Parnaíba

Em Parnaíba a Marujada já foi uma das danças folclóricas das mais apreciadas, a ponto de influenciar o laureado escritor Humberto de Campos em sua infância, colocando em uma de suas crônicas, a despedida de seu cajueiro, uma passagem de sua infância relacionando-se a Chegança (Marujada), que cito a seguir:

“Mais uns meses e vou subindo, experimentando a sua resistência. Ele se balança comigo como um gigante jovem que embalasse nos braços o seu irmãos de leite. Até que, um dia, seguro da sua rijeza hercúlea, não o deixo mais. Promovo-o a mastro do meu navio e, todas as tardes, lhe subo ao galho mais empinado, onde, com o braço esquerdo cingindo o caule forte, de pé, solto, alto e sonoro, o canto melancólico da "Chegança", que é, por esse tempo, a festa popular mais famosa de Parnaíba:
Assobe, assobe, gajeiro,
Naquele tope real...
Para ver se tu avistas,
Otolina,
Areias de Portugal!

Mão direita aberta sobre os olhos, como quem devassa o horizonte equóreo, mas devassando, na verdade, apenas os quintas vizinhos, as vacas do curral de Dona Páscoa e os jumentos do sr. Antônio Santeiro, eu próprio respondo, com minha voz gritada, que a ventania arrasta para longe, rasgando-a, como uma camisa de som, nas palmas dos coqueiros e nas estacas das cercas velhas, enfeitadas de melão-são-caetano:
Alvíssaras meu capitão,
Meu capitão-general!
Que avistei terras de Espanha.
Otolina,
Areias de Portugal!”
 
Praça Cajueiro de Humberto de Campos - O Cajueiro foi plantado por Humberto de Campos quando criança, no quintal de sua casa.
Tudo isto é passado e não vemos nenhum movimento para resgatá-los.  Quando governador, Dr. Alberto Silva reativou este movimento folclórico e de muita tradição em Parnaíba, mas os gestores que o sucederam não enxergaram tão valorosa parte de nossa cultura quem sabe enterrada para sempre e apenas lembrada no livro de Humberto de Campos.

Agora, com a segunda administração do prefeito Mão Santa, apreciador da cultura parnaibana e do Superintendente de Cultura, Teófilo Lima, um conhecedor das raízes de nossos cantos e danças, quem sabe seja a vez do resgate  das belíssimas apresentações da Marujada.

A última família que conheci em Parnaíba e que mantinham as tradições da Marujada era a de Dona Maria Avani, moradora da Rua Desembargador Freitas no Bairro Nova Parnaíba, ali na esquina com o Emater. Seus filhos (todos ainda vivos, mas morando em outras cidades), Raimundo, Luís, Gerardo, Mário, Zé, Antônio, Deusdeth e até a única filha mulher, a Inês, todo ano juntavam os aficionados desta dança folclórica e, com autorização da Marinha do Brasil (por conta das fantasias que são semelhantes a farda da Marinha), saiam da porta da Capitania dos Portos de Parnaíba para iniciar suas apresentações.

A Marujada (Chegança)
As "cheganças" são danças dramatizadas que acontecem durante o ciclo de Natal, no carnaval e nas festas de São João. O termo 'chegança' vem, provavelmente, de uma dança portuguesa do século 18, embora alguns especialistas afirmem que seja originário de palavras náuticas como 'chegar' – dobrar as velas à chegada do navio – e “chegada” – abordagem. Acredito mais nesta última definição.

Na chegança de mouros, o tema central é a luta dos cristãos contra os mouros. Já as histórias de navegadores são contadas na chegança de marujos ou marujadas. Um cordão de marinheiros puxa um navio e anuncia a chegada dos marujos. Os integrantes interpretam personagens como Patrão, Piloto-Mor-de-Guerra, Padre-Capelão, Embaixador, Guarda-Marinha. Eles simulam manobras de navio até chegarem ao seu destino: palanques ou casas. Normalmente participam apenas homens. As mulheres participam da chegança das mulheres. Cantam e dançam usando chapéus com fitas e flores. Não há um enredo em particular nem personagens.

Por José Wilson | para o Jornal da Parnaíba
Postar um comentário