quarta-feira, maio 17, 2017

Governo W. Dias tem que explicar R$ 1,18 milhão em 26 notas fiscais falsas

DINHEIRO DAS EMENDAS SUMIU – Foram descobertas 26 notas falsas na prestação de contas da Secretaria Estadual de Trabalho e Empreendedorismo (SETRE), comandada pelo Pastor Gessivaldo (ano 2015).

Como já foi informado, Gessivaldo teve que cumprir a lei e abriu Tomada de Contas Especial para identificar os autores do prejuízo num convênio assinado com o INSTITUTO PARA INFÂNCIA E ADOLECÊNCIA – FCAMC, empenhado e pago pelo próprio Gessivaldo.

Nesse convênio, a FCAMC, recebeu R$ 1.200.000,00, através de emendas parlamentares. Os deputados estaduais confiaram bastante na ONG criticada pela Procuradoria Geral do Estado e pelo Tribunal de Contas que apontaram que a instituição não teria qualificação técnica para realização do objeto do convênio.

Agora, o secretário do governo Wellington teve que se explicar após a auditoria do Tribunal de Contas do Estado encontrar 26 notas fiscais inidôneas, totalizando R$ 1.185.095,45.

As notas abaixo foram de “serviços” pagos pela FCAMC para a empresa de Timon Cerqueira e Soares Ltda. Porém, os auditores do TCE-PI descobriram que a mesma numeração dessas notas já tinha sido usada em serviços pagos pela Prefeitura de Timon para a mesma empresa e que apenas os números foram aproveitados, nem os valores e as datas são as mesmas.  Foram anexadas até notas fiscais do ano de 2013.

DEFESA DE GESSIVALDO – Em sua defesa junto ao TCE-PI, Gessivaldo diz que não sabia que as notas eram inidôneas e que a FCAMC ainda não tinha apresentado as contas; informou também que o objeto do convênio foi cumprido. A comprovação seriam matérias mostrando as feiras supostamente realizadas com os gastos milionários. Gessivaldo diz ainda que várias autoridades estiveram presentes, inclusive membros do Tribunal de Contas do Estado.
Fonte: Código do Poder | Edição: Jornal da Parnaíba
Postar um comentário