quarta-feira, dezembro 07, 2016

Após nova medição, PI buscará junto ao Guinness título de maior cajueiro

Pesquisa de universidade comprovou que Cajueiro Rei tem 8.832 m². Atualmente, título pertence a cajueiro na praia de Pirangi do Norte, em RN.
Cajueiro no Piauí quer o título de o maior do mundo (Foto: Reprodução/TV Clube)
Após nova medição, o Piauí vai buscar junto ao Guinness Book, livro dos recordes, o reconhecimento do maior cajueiro do mundo. A informação é do secretário estadual de Turismo, Flávio Nogueira Júnior, depois da conclusão do estudo feito pela Universidade Estadual do Piauí (Uespi). Segundo os pesquisadores, que o Cajueiro Rei, situado em Cajueiro da Praia, possui 8.832 m² de área. Atualmente, o título é do Rio Grande do Norte.

O estudo chegou a conclusão que a partir da região analisada, o Cajueiro Rei do Piauí é um único pé de caju com total de 8.832 m² com 732m de comprimento, todo ele a partir de um gene como uma única espécie em sequência. “O laudo feito pela equipe traz essa constatação e vamos agora fazer o contato com a equipe do Guiness”, comentou o secretário de Turismo, Flávio Nogueira Júnior.

Clique AQUI e saiba mais sobre o Cajueiro Rei

Para o secretário não haverá dificuldades para obter o reconhecimento, já que há o estudo de Fabrício Pires, doutor em farmacologia, Francisco Soares, doutor em Botânica e Caio Reis, mestre em ecologia comprovam o recorde. “A equipe fez um estudo amplo na área e emitiu o laudo de que é o maior cajueiro do mundo com toda a comprovação”, afirmou o secretário.
A equipe do Guiness deve comparar a comprovação do tamanho do Cajueiro Rei no Piauí com o cajueiro potiguar que consta no Livro dos Recordes, desde 1994, como o maior do mundo, com 8.500m².

“Ter o tamanho é importante, mas se houvessem outras plantas não seria o maior exemplar porque não seria o mesmo indivíduo”, disse Fabrício Pires, doutor em farmacologia que participou do estudo. Na pesquisa ficou comprovado que trata-se apenas de uma planta. 
Estudo realizado por laboratório de São Paulo comprovou o padrão genético como sendo de um mesmo cajueiro. (Foto: Gilcilene Araújo/G1)
Padrão genético
As primeiras amostras de material genético da planta foram colhidas em junho deste ano, afim de estabelecer um padrão genético. “Fizemos várias viagens ao local com a colega e extração de DNA para sequenciamento genético a fim de saber se era a mesma composição, a mesma planta”, explicou o doutor em farmacologia. O estudo foi realizado em conjunto com um laboratório de São Paulo que comprovou o perfil idêntico entre as amostras como parte de um mesmo cajueiro.

A pesquisa foi feita a partir da extração das folhas de cinco pontos diferentes do Cajueiro Rei. Depois as amostras foram submetidas a outros estudos que levassem ao objetivo final. No cajueiro foram recolhidos ainda pontos com coordenadas geográficas com o uso do aparelho GPS, com a observação de as áreas da copa da planta na qual foram utilizados programas de mapeamento como Google Earth Pro e Arc Giz.

Os resultados do estudo foram submetidos a publicações internacionais e os pesquisadores aguardam respostas para publicação da pesquisa. “Esse trabalho foi submetido à revista Nature, mas como eles privilegiam a inovação nos recomendaram publicar em outra revista, da qual aguardamos resultados, comentou Fabrício Pires acrescentando que outros projetos serão desenvolvidos para estudar os cajueiros da região.
O Cajueiro Rei teve uma parte de seus galhos cortado de forma irregular.
Corte criminoso
Tombado por lei municipal e localizado em área de domínio da União, o Cajueiro Rei, localizado na cidade de Cajueiro da Praia, teve uma parte de seus galhos cortada de forma irregular. O caso foi denunciado para a Polícia Civil em Parnaíba, no litoral do Piauí, que vai investigar a queixa.

Segundo o secretário de Turismo da cidade, Marcos Cazuza, uma parte da planta foi cortada para que fosse feito um acesso para um terreno particular.

Por Carlos Rocha/G1 PI | Edição: Jornal da Parnaíba
Postar um comentário